Lugares e Experiências


“Não faças isso, vai e é já, ontem já era tarde”.

Isto é o que me dá sempre vontade de dizer quando alguém me diz que primeiro vai viajar pelo Mundo e depois quando já tiver mais idade  vai conhecer os Açores que são aqui tão perto.

Se o paraíso na Terra existe porque não ir conhecê-lo já?

Acredita que não te vais arrepender se hoje pegares na mochila e fores conhecer a ilha do Corvo e, principalmente, se fores fazer  o trilho do Caldeirão. Será um dia que vai ficar na memória para sempre, acredita.

Para quem gosta de caminhar na Natureza, este é aquele lugar mais que perfeito.

E como diz a canção não deixes para amanhã o que podes fazer hoje.

Sugiro que chegues à ilha do Corvo de barco. A travessia da ilha das Flores para a ilha do Corvo é uma experiencia encantadora , normalmente, e se tudo correr bem , há uma grande probabilidade dos golfinhos te irem cumprimentar nesta tua travessia.

Se tiveres vários dias por estas duas ilhas, e a tua base for a ilha das Flores, agenda a ida à ilha do Corvo, num dia sem nuvens e avalia as condições do mar, a travessia tem normalmente a duração de uma hora.

O percurso do Caldeirão do Corvo tem o seu inicio no miradouro do Caldeirão. É um percurso muito acessível, com cerca de 5 km ,e  faz-se em aproximadamente duas horas e meia.

Mas a verdade é que acho que nunca demorei menos do que quatro horas com os meus grupos.

Porquê?

Eu explico-te porquê.

Se em principio só lá vais uma vez na vida porquê a pressa?

Para começar, antes de seguires o trilho, não há nada como te sentares ali uns bons minutos no miradouro e apreciar  aquela caldeira.

As lagoas ali formadas fazem-nos pensar que entramos num lugar encantado e de fantasia. Estas lagoas são alimentadas por águas da chuva, águas essas que ficam acumuladas nos musgões e que depois escorrem para as lagoas.

Nestas lagoas a existência de várias pequenas ilhas fazem-nos lembrar como se tivéssemos a olhar para um mapa e ver o arquipélago dos Açores.

E o contraste das cores?

Os diferentes tons de verde que existem devido umas zonas mais húmidas que outras e que contrastam com os cinzentos dos muros que dividem os terrenos, ou em altura de hortenses, com os azuis turquesa das flores.

Não há igual.

Continuo a dizer: vai sem pressa. Há duas experiências que são “obrigatórias”  fazeres na cratera do Corvo:

– deitar-te no chão e ver as nuvens a passar.

Jogar aquele jogo, que fazíamos quando éramos miúdos,  olhar para as nuvens deitados no chão  e ver com o que se pareciam as nuvens que passavam no céu.

Nunca jogas-te? Então agora é o momento.

– Outra coisa que não podes deixar de fazer caso tenhas oportunidade é ver o por do sol no miradouro, não há pôr do sol igual , acredita.

Apesar de toda esta beleza tem alturas do ano que ali o tempo é inserto por isso não deixes de ir preparado e prevenido para essa situação.

Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje. Não percas a oportunidade de conheceres um local como este tão único e especial que nem as palavras nem a melhor fotografia faz jus a tamanha beleza.

Espero que, nestas poucas linhas, te tenha encorajado a conhecer a ilha do Corvo e este lugar único.

Se precisares de ajuda estamos por cá, ou se quiseres um dia ir connosco, fica o convite.

Não te esqueças que se ficas em casa só vês não sentes. Viver é sentir.

 

Até breve!

( 📷 fotos e Filme Rui Roque)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

RNAT 196/2015

RNAVT 7016

Livro de reclamações on-line.