as aventuras da amélia


Amélia,

Tu sabes que eu acredito que por mais que tenhamos sido felizes num local, podemos sempre lá voltar, pois haverá sempre algo que nos fará felizes novamente.

As pessoas com quem vamos ou ir numa época diferente do ano, por exemplo, e de certeza que alguma coisa mudou no tempo em que estivemos fora. E foi isso que aconteceu nestes dias em que regressei ao Alvão.

Como sabes, e acompanhaste-me nas duas últimas edições, o Alvão não se explica, sente-se e mais uma vez assim foi.

E sabes o que te digo? Cada vez sinto mais o Alvão, que sítio… que locais… seja no Outono, Inverno ou Primavera o Alvão é único.

Nesta terceira edição a festa começou bem cedo! Logo na primeira paragem, com todo o grupo reunido, a nossa simpática Graça surpreendeu-nos com uma doçaria típica das Caldas da Rainha. É isso mesmo… estava dado o mote para quatro dias de brincadeira, muita gargalhada e bons momentos!

 Desta vez o nosso regresso ao Alvão foi acompanhado por uma onda de calor, o que nos levou a fazer algumas alterações ao programa. Não quisemos deixar de aproveitar cada instante e por isso tivemos que nos adaptar às condições meteorológicas que se faziam sentir, como por exemplo termos 41ºC às 11h da manhã…

Mas vamos lá!

Tudo começou ali no lugar das Mestras onde o rio Cabrão vai desaguar, recordas-te? Sim, na Levada do Piscaredo.

A água continua cristalina, as libelinhas azuis continuam a voar sobre as flores coloridas das suas margens e o trilho continua a ser um dos mais bonitos daquela zona.

Desta vez, e até porque as temperaturas estavam tão altas, dava vontade de tirar as botas e caminhar dentro da levada. Não o fizemos mas refrescamo-nos várias (muitas!) vezes, e que bem que soube!

No final, já no centro de Mondim de Basto, o refresco também estava à nossa espera dentro de uma casinha bem fresquinha enquanto ao longe e bem lá no alto do Monte Farinha avistávamos a Srª da Graça.

Depois só uma bela jantarada e uma noite bem dormida para voltar a carregar baterias porque a aventura ainda tinha apenas começado.

Dia 2. Pegamos nas mochilas e fomos até Ermelo, a terra das Fisgas. Hoje, e como sempre, este trilho prometia.

Uma coisa era certa: tinha que meter banhos!

Para lá chegar foi preciso suar um bocadinho… Estavam 40º graus à sombra e “naquela” subida não há sombra,  mas ver as cascatas dá-nos motivação para continuar e nada como o “restaurante” onde almoçamos.

Na margem direita do rio Olo, onde a água transparente corre por cima das pedras coloridas em tons de verde e cinzento, numa sombra fresca, sentindo uma brisa com cheiro a pinheiro.

Bom demais, este dito “restaurante” transformou uma lata de atum num pitéu dez estrelas Michelin!!

Depois #timetogo, atravessar o rio e seguir até à Pioca. Que piscina natural! Que momento tão bom! Tempo de uma paragem para mergulhos.

Sabes Amélia, é nestes momentos que quando te consegues colocar de fora e parar um instante para observar cada pessoa que te acompanha que dás contigo a ter a certeza que eles estão mesmo a gostar de ali estar. Riem-se como uns miúdos e divertem-se todos juntos, mesmo que alguns apenas se conheçam há 2 dias! É nestas alturas que tu percebes que realmente a Aventura X faz sentido.

 

É lógico que depois desta pausa ainda havia uns quilómetros e é assim que rapidamente um guia passa de bestial a besta!

Mas a verdade é que ainda havia tanta coisa boa para ver e conhecer!

 

Ao terceiro dia, o destino era Lamas de Olo.

Este trilho está amaldiçoado, só pode ser isso!… Nas outras duas edições foi a chuva e o mau tempo e o nevoeiro completamente cerrado que não nos deixava sequer ver os passos que dávamos que nos obrigou a encurtar a distância…

Desta vez uns malditos 40ºC logo pela manhã mesmo antes de arrancar…

A nossa sorte?! Aquela Cabana! Aquela cabana sinistra, como que perdida na floresta numa sombra que mais parecia uma miragem… Lá dentro a alheira, a moura, o queijo, o pão e o presunto continuam divinais! Seja no Inverno bem pertinho daquela enorme lareira, seja debaixo deste calor sufocante numa rede que baloiça suavemente à sombra de umas preciosas árvores…

Mas as novidades deste dia não ficaram por aqui.

Ainda faltava aquele pão-de-ló tão pecaminosamente delicioso, húmido, de comer à colher.

Todos queriam mais mergulhos e fomos à descoberta de mais um pequeno paraíso perdido pelos lados do Alvão: a cascata do cai alto.

Que tarde bem passada! Mergulhos, cascatas e piscinas naturais, criadas e construídas pela Natureza, tão bom!

Desta vez também não resisti e sabes que faço tudo para ver os amigos da Amélia felizes, por isso também tive de mandar uns mergulhos. É verdade Amélia, tudo sempre a pensar no que o cliente deseja.

Cascata do cai alto, vamos voltar de certeza.

 Amélia, sabes como acabou este dia? Com uma bela jantarada de posta e muita risada à mesa.

Só quando chegamos ao hotel é que vimos as notícias do que se passava no nosso Portugal… uma tragédia que devorava vidas e floresta sem precedentes…

Quando estamos tão próximos da Natureza desligamos a ficha do mundo que nos rodeia, é verdade… mas quando “cai a ficha” e pensas que ninguém merece uma tragédia assim pensas para ti: cada passo der será por todas essas pessoas afectadas por este incêndio, estarão na minha memória e no meu coração sem dúvida.

E para o último dia estava guardada a conquista da senhora da Graça, mas desta vez fizemos diferente.

Descemos da senhora da Graça até Mondim de Basto. Que maravilhosa vista do Alvão, de Mondim, dos Vales, dos Montes! É tão bom voltar onde já se foi feliz.

E como é que se acaba em beleza, após quatro dias?

Na Tasca do Caminhante, com uma senhora simpática, belos petiscos e, caramba, há tanto tempo que não comia um pastel de bacalhau , tão bom e com bacalhau!

A isto junta um grupo cinco estrelas, com uma alegria e uma energia dez estrelas.

“Há gente que fica na História da História da gente”

Muito obrigado a todos e Até Breve!!

“Collect moments not Things”

#momentosaventurax #momentosqueficam #timetogo #aventurax #loveportugallikeus #portugaloutside

 

One thought on “A terceira edição do Alvão!

  1. Tal e qual, tal e qual!!! Diário perfeito 🙂 Obrigada grande líder Miguel pela história de aventuras contada à Amélia. Ela gostou e nós também! 🙂
    Sangue, suor e lágrimas nos 500 mil passos dados…. mas também belas banhocas e spas inesquecíveis com tratamentos de esfoliação a pedir bis! E aquela pausa zen nas redes à sombrinha! Huuumm, tããão booomm!
    Tudo temperado com enchidos do melhor, posta mirandesa de comer e chorar por mais, bifinhos aos trambolhões (já que nenhum de vós veio, felizmente! :-), pastelinhos de bacalhau de verdade, tudo muiito bem regado e sempre fresquinho! Para fechar com chave de ouro: aquele pão de ló de regalar as beiças 🙂 Topping de gargalhadas e muitas metáforas de humor, a fazer corar qualquer manual de kama sutra 🙂
    Quanto à doçaria tradicional das Caldas – http://coconafralda.sapo.pt/caldas-da-rainha-763795, está provado cientificamente que é ótima como catalisador de dinâmicas de grupos hilariantes 🙂
    Alguns reajustes do GPS a pensar sempre no bem.estar dos amigos da Amélia 🙂 Com Nossa Senhora da Graça a abençoar-nos e os badalos a tocarem 🙂
    Com o parque do Alvão no coração, o meu obrigada por mais esta Aventura XXL, em boa companhia! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

RNAT 196/2015

RNAVT 7016

Livro de reclamações on-line.